Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘política’

Ainda não viu a parte I?

 

Machado de Assis – Eu realmente preciso te dizer quem foi esse cara? Não, sério?

Malcolm X – Parente do Ben 10 e da Márcia X, começou como traficante, pimp e malaco, passou a pregador do Islã e da supremacia dos negros, e, quando enfim começou a achar razoável a idéia de que nem todo branco era filhodaputa como os que mataram seu pai, e que brancos e negros poderiam conviver em pé de igualdade, foi assassinado. Não vamos condená-lo por achar que caucasianos são o demônio; como ele mesmo disse: “Um branco perguntar ao negro porque ele o odeia é como o lobo perguntando ao cordeiro: ‘Você me odeia?'”.

Martin Luther King – Pastor americano, militante pelos direitos civis e king of the black coconut candy. Foi a pessoa mais jovem a receber o Nobel da Paz, com 35 anos, em 1964. Era contra a violência, o que não o impediu de tomar um tiro.

Motumbo – Santo padroeiro de Pau Grande, distrito de Magé, no Rio de Janeiro, das cidades de Ponta Grossa e Rolândia, no Paraná, e do bairro de Picanço, em Guarulhos (SP).

Mussum – Pseudônimo de René Descartis, autor do Discurso sobre o Mé Todis.

Nelson Mandela – Advogado e militante contra o Apartheid sul-africano. Passou quase 30 anos na cadeia e ainda achou ruim quando soube que sua esposa Winnie andou ciscando por outros terreiros.

Os Mulheres Negras – Eles são homens e brancos, na verdade. Só os incluí pra cumprir as cotas.

Patrice Lumumba – Lider da independência do Congo e seu primeiro-primeiro-ministro legalmente eleito. Os europeus tavam achando até bonitinho esse negócio dos africanos quererem ser livres, mas quando o Lumumba disse que não bastava a independência política, queriam também o controle econômico, os brancos já ficaram ressabiados. Foi deposto em dez semanas e assassinado.

Pelé – Eu não sei direito quem foi esse cara, mas deve ter sido um grande ator venezuelano. Chávez vivia dizendo que preferia ver o filme dele.

Rosa Parks – A Dama do Lotação. Se recusou a dar seu lugar a um branco no ônibus – alegando que ele não estava grávido, nem era idoso, e sequer parecia deficiente, a não ser que fosse mental – e foi o estopim do movimento contra as leis segregacionistas nos EUA. É mãe do movimento dos direitos civis, mas filhos, mesmo, não teve.

São Benedito – Começou por baixo, como cozinheiro do convento, mas era tão gente boa que os capuchinhos o elegeram superior do mosteiro. Um dos seus milagres mais famosos, o milagre das rosas, foi plagiado por Santa Isabel, e ninguém fala nada por que ela é branca. A história é assim: o caboclo levava pães, escondido, para os pobres, e o uma vez novo superior do convento o pegou com a boca na botija. Desconfiado, perguntou: “Que levas aí, neguinho safado?” “Rosas, meu senhor”. Benedito abriu o avental, e os pães haviam virado rosas mesmo.

Tia Anastácia – Um grande e gordo estereótipo. Humilde e simplória, sensacional contadora de histórias e cozinheira de mão cheia, aguentava calada as filhadaputagens daquela que foi a precursora do Klu Klux Klan no Brasil, a boneca Emília. Eu no lugar dela já teria espancado a fascistinha de pano com o pau de macarrão.

Zumbi – Último líder de Palmares, famoso pela frase “braaaiiiiinssssss….”

flourish

Este post não seria possível sem a inestimável colaboração dos meus negos do twitter: @any_g, @carolcaramba, @charmqgp, @FabioMarton, @fvanzo, @mrguavaman, @penachiando, @Shepones, e todo o resto que deu sugestões e eu esqueci de citar aqui, mesmo que não tenha aproveitado. Vocês são um poço de inspiração, gemza.

Read Full Post »

Quem me ouve falando de dorgas o tempo todo pode pensar que eu sou uma junkie de marca maior, mas fora o abuso de álcool, os remédios de tarja preta e uma eventual cheiradinha de acetona, até que eu sou bem careta. Uma das coisas, por exemplo, que eu tenho PAVOR e provavelmente jamais tocarei na vida, são alucinógenos. Tenho um medo terrível de me perder no meu inconsciente. Imaginem vocês que essa semana eu já sonhei DUAS vezes com o Chávez?

chaves_foto

não esse chaves. o outro chávez.

Com esse tipo de personagem habitando meus sonhos, eu tenho muito medo do que encontrar nos recônditos da minha mente.

Pra vocês terem idéia, vou contar aqui um sonho real, da noite de domingo pra segunda. É claro que a memória vem enevoada e eu tive que adicionar uns floreios literários, mas a essência do sonho, como me lembro, é essa. Preparados?

flourish

Era brilhuz. As lesmolisas touvas… espera, não era isso. Era o casamento da Madonna. Pois é, da Madonna. E ela iria se casar no Brasil, no Museu Imperial lá em Petrópolis, e com o Jesus Luz. Eu estava emocionadíssima por ter sido convidada, mas não foi por ser amiga pessoal da Diva ou algo assim. Fui convidada por que era filha do Lula. Vai vendo. Uns dias antes da cerimônia, eu super ajudei a Madonna a escolher o vestido, um Valentino de seda vermelha com uma cauda enorme. Ela ia com uma maquiagem pesadíssima e o cabelo preso num coque com tranças atrás, estilo Evita.

evita

don't cry for me, argentina. don't you cry tonight.

E, num casamento tão importante, e com todo esse tema latino – noivo brasileiro, noiva isla bonita – quem é que você convidaria? Os presidentes todos da América Latina, evidente. No salão, entre as tietes, eu pude reconhecer a Cristina Kirchner, o Álvaro Uribe, o Manuel Zelaya, e a turma do fundão: Rafael Corrêa, Evo Morales e Hugo Chávez. E meu “pai”, claro. O Lula. Vai vendo.
A noiva, como qualquer noiva que valha o seu sal, atrasa. Começa o burburinho entre os convidados. Alguns ficam inquietos, estão com fome, quem foi o desinfeliz que marcou um casamento bem pra hora do almoço? E começam até a falar do vestido da noiva, que ninguém viu, que absurdo, vermelho. Os mais inquietos começam a deixar o local rumo à sala de banquetes. Os organizadores tentam controlar a zona, só mais um minutinho, galera, noiva atrasa, é normal.
Hugo Chávez se levanta e começa a protestar, que isso é um desrespeito às nações latinas, quero ver se o casamento fosse na Europa se isso ia acontecer, que isso pede intervenção internacional, que eu tou com fome, cacete. Correa e Morales se levantam e apóiam. Ameaçam ir embora. A coisa começa a ganhar ares de grande conflito diplomático, quando meu “pai” (o Lula, lembram), se levanta e tenta apaziguar: calma, companheiros, não é por aí.

Aí eu acordei sem saber se a terceira guerra mundial tinha sido provocada por uma noiva atrasada, quando tudo poderia ser resolvido com a gentil intervenção do rei da espanha.

porquenotcallas

¿por qué no te callas?

callas

¿me llamaran?

Read Full Post »

Um protesto possível

Revoltado contra a globalização? A corrupção? Seu time perdeu? Mudaram a fórmula do seu biscoito preferido?
Veja bem, passeatas são completamente passé, e ninguém mais quer passear nelas. Emails e petições não funcionam. O que fazer?

Reúna alguns amigos, gente o suficiente para cantar bem alto, leve uma faixa com as suas demandas e organize um sit in na frente da FIESP/ palácio do planalto/ centro de treinamento/ fábrica de biscoito, e comecem todos a cantar em alto e bom som esta versão da música dos elefantes:

um manifestante incomoda muita gente
dois manifestantes incomodam incomodam muito mais
dois manifestantes incomodam muita gente
três manifestantes incomodam incomodam incomodam muito mais etc.

Tenho certeza que seu grupo conseguirá o que quer antes de chegar ao centésimo manifestante. E sem violência, bicho.

Read Full Post »

#euRio2016

Tou atrasada, eu sei. Todo mundo já comentou do #Rio2016 e pá e tal. Mas tou procurando assunto pra ver se esse blog engrena, gemza, então bear with me (expressão que, evidentemente, quer dizer URSO COMIGO em inglês).

Até a semana anterior da escolha da cidade-sede, eu nem sabia que o Rio estava concorrendo. Na real, eu nem sabia que iam escolher uma cidade-sede, mas já? Enfim. Quando vi a galera toda comentandinho no twitter, pensei, de novo? Quantas vezes mesmo o Rio se candidatou? E quantas não ganhou? Já vi esse filme. Tou botando fé não.

Para minha grande surpresa, o Rio ganhou mesmo. Ora vejam. Nos primeiros dez segundos eu fiquei feliz, depois bateu um pouco de ciuminho de paulista (o que é que o Rio tem que nós não temos, além de praia, paisagens, gente bonita, alegria de viver e umas balas perdidas a mais?). Mas depois fiquei feliz de novo. Que bacana, as olimpíadas aqui em Pindorama, a seis horas de busú daqui de casa ou nem uma horinha de avião. Vai ser legal, né?

Não tardaram a pipocar as opiniões negativas. Imagina quanto não vão desviar na construção dos estádios, dizem uns. Peguem esse dinheiro e vão construir escolas, dizem outros. O que as pessoas estão deixando de enxergar é a enorme oportunidade que as olimpíadas representam para uma cidade e um país. Pensa no investimento estrangeiro. Pensa no nosso nome lá fora. E, acima de tudo, pensa na quantidade colossal de gringos otários que estarão dando sopa por aqui.

Eu não sei de vocês, mas não vou me contentar com menos do que um pedido de casamento e a oportunidade de ter um visto de permanência europeu. Mas, considerando que ainda tem sete anos daqui até lá e a gravidade é implacável, o plano B é enriquecer com uma idéia na cabeça e uma caixa de isopor na mão. Latão de skol é cinco, beijos.

Read Full Post »